UMA PARÁBOLA SOBRE A AMIZADE

uma-parabola-sobre-a-amizadeAmizade verdadeira se torna rara a cada dia. O amor vem esfriando e assim se cumprindo uma profecia que é de conhecimento de todos. Deus criou a amizade e quando vemos uma como exemplo, nos admiramos. Porém, gostaria de narrar uma história, uma parábola sobre a amizade. Que ela seja um exemplo a seguirmos.

Ao amanhecer do primeiro dia da segunda semana do terceiro mês, o mestre Al-Mahdi acordou e foi andar pelo jardim. O sol da manhã formava sombra nas árvores e nas pétalas das flores molhadas de orvalho ante a preguiça do calor da luz.

À medida que caminhava, Al-Mahdi seguia o mesmo ritual de sempre: cabeça baixa e passos lentos ao ritmo da brisa fresca da manhã, no intervalo repetido das horas. Assim, ele ordenava seus pensamentos e disciplinava sua memória à luz da realidade, com a subjetividade da meditação.

Al-Mahdi era amigo e guia espiritual de Ibn-Zara, o aprendiz que chegara ao mosteiro ainda jovem para aprender os segredos do coração e as subtilezas da alma e, com ela, da amizade entre os homens, mesmo levando-se em conta a diferença de idade entre mestres e aprendizes, entre Ibn-Zara e seu mestre, que caminhava com ele.

Ibn-Zara optara por viver no silêncio dos velhos corredores mudos e na segurança das grossas paredes centenárias do mosteiro para fugir da tentação da cidade grande. Não se sentia prisioneiro e nem solitário ali, mesmo vivendo longe da casa dos seus pais, do burburinho enfeitiçado das ruas e do mundo festivo lá fora.

Uma das primeiras lições que Ibn-Zara aprendeu ao chegar ao mosteiro foi que o melhor da vida estava no coração da amizade. O que vinha depois, dizia o mestre, era consequência da idade, do tempo e da convivência entre pessoas, aliados à sabedoria dos anos. O “tempo e a idade, aliados aos anos da vida”, dizia o mestre, tornam possível o clamor de sossego da alma e a busca de paz do coração. E a Natureza testemunha o tempo e a idade de cada um.

Ibn-Zara sentia-se feliz e seguro vivendo assim. Os anos de reclusão no mosteiro lhe ensinaram o valor do perdão, da paciência, da compaixão e da tolerância entre aprendizes e mestres. E, acima de tudo, da amizade entre irmãos.

Al-Mahdi sempre caminhava olhando para o chão, em silêncio contemplativo. Caminhava de cabeça baixa como se assim pudesse compreender melhor a alma da Natureza e a natureza da alma dos homens. Quando falava, sua voz soava como um eco, reverberando no fundo do coração para o fundo do coração de quem o ouvia com atenção. A voz vinha das profundezas de sua alma generosa para a alma impregnada de atenção dos ouvintes absortos de admiração.

Ibn-Zara ouvia com atenção as explicações filosóficas do mestre como o peregrino das horas fortuitas, faminto e sedento de explicação, implorando esmolas para não morrer. É que imagina ver, no rosto de cada viajante que lhe oferece uma esmola ou um pedaço de pão, o semblante de Deus multiplicado.

O aprendiz não se descuidava dos ensinos do mestre, mesmo diante do altar da capela do mosteiro onde podia contemplar a velha pintura do menino Jesus sentado no colo de sua mãe.

Um dia, enquanto caminhavam pelo jardim, Ibn-Zara percebeu mudanças na maneira como Al-Mahdi andava e na modulação de sua voz, expondo a inquietude de sua alma estampada em seu rosto de ternura ensanguentada. De repente, o mestre parou, levantou a cabeça, abriu os olhos, olhou para o aprendiz e perguntou-lhe:

– Ibn-Zara, o que você sabe sobre a amizade?

Tomado pela surpresa, o aprendiz voltou-se para o mestre e a luz da alegria iluminou seu rosto.

Então, Ibn-Zara lhe respondeu com estas palavras:

– Mestre, o que posso dizer sobre a amizade, senão aquilo que aprendi de vós, por meio de vossa compaixão e exemplo caminhando convosco todos os dias? Por acaso pode o gafanhoto dizer à flor que são amigos? Pode o amanhã suspirar pela noite que deixou para trás ou pelas horas finais do por do Sol, para alegria de outra noite e prazer da escuridão? O que quereis que eu vos diga se, no espelho da vossa alma, eu me vejo de alma contrita, como o silêncio do bosque, tentando repetir a meiguice das borboletas? A luz não dá razão à escuridão, nem a escuridão recebe com prazer a luz.

O mestre, admirado com a resposta do aprendiz, disse-lhe com ternura:

– Eu sei o que inquieta sua alma e seu coração, Ibn-Zara. A flor não viveria sem a amizade do solo e a proteção do arbusto. A colina protege o vale. O arbusto protege a flor. E o vale protege os dois. E Deus cuida de todos. O rio, correndo para o mar, permite a vida dos peixes – para alegria das águas e do pescador. O Sol que chega e ilumina a flor, ilumina também o arbusto e a relva. E as flores sempre estarão sorrindo. Se a flor não for amiga da folha, como subsistirá? Se ignorar o beija-flor ou o vento, como o pólen se espalhará pelos campos? Se o arbusto impedir o Sol de chegar à flor, como nascerão outras flores? Como surgirão outros arbustos, outras folhas e outros frutos para embelezar os campos nas estações que vão e vêm? O que faz a flor e o arbusto perpetuar sua espécie senão a amizade entre eles, o rio, o vento, as aves, a Natureza e a luz?

Ibn-Zara estava sem palavras diante da sabedoria do mestre e do seu conhecimento sobre a Natureza e o coração do homem.

O mestre continuou:

– A amizade é como a beleza da flor que, mesmo distante, sentimos seu perfume para o prazer santificado da vida.  Mas, a beleza da flor não poderia existir em detrimento do seu perfume. É como o ar que espalha o perfume da flor, cuja fragrância que sentimos (e gostamos de sentir) faz-nos felizes e cheios de alegria para a vida. E, assim, respiramos e sentimos seu perfume. É como o Sol que, abraçado à alvorada, sorri às horas de um novo dia até a noite chegar. É como o dia que, despedindo-se da noite, deleita-se com a quietude da alvorada que a Natureza deixa voltar sorrindo porque voltou. E não haveria equilíbrio na Natureza (e nem amigos), se não houvesse amizade entre o dia e a noite, a manhã e a tarde, o vento e a calmaria, a chuva e o Sol.

Ibn-Zara olhava com mais admiração para o mestre.

Então, o mestre vendo a admiração da juventude nos olhos de Ibn-Zara abrir-se à voz da alegria e à ternura de sua alma, alegrou-se em seu coração. E ele sorriu.

E continuou:

– Ibn-Zara, para o amante, amizade é a fúria do amor, desperto em disposições de vontade e querer, no êxtase da alma saciada que a cólera do Ego não consegue controlar. Para a criança, amizade é ser amparado por pai e a mãe, segurando sua mão pequenina para não tropeçar e cair. Mas, para os verdadeiros amigos, ela é o elo que se une a outro elo e torna forte a corrente. E, mesmo diante de forças adversas, tais elos não se partem. Antes, porém, tornam-se mais fortes e resistentes porque estão sempre unidos na corrente. Assim é a amizade, Ibn-Zara.

E concluiu, com estas palavras de sabedoria:

– Nunca esqueça a amizade, Ibn-Zara. Nunca abandone seus amigos, mesmo que eles venham abandoná-lo ou esquecê-lo um dia. Porque, se abandoná-los ou esquecê-los, sentirá sua falta na hora da partida. O verdadeiro soldado não deixa para trás um companheiro de arma ferido. Antes, vai até ele, envolve-o com seus braços, coloca-o sobre seus ombros e, em meio ao tiroteio no campo de batalha da guerra sem explicação, leva-o para o abrigo seguro para protegê-lo da artilharia inimiga e curar seus ferimentos. É uma norma de conduta militar que se aprende no tempo de paz, mas que se pratica no front da guerra: Um soldado não deixa um ferido para trás.

Ibn-Zara sorriu em seu coração, agora mais reconfortado.

E quando a noite chegou, dormiu e sonhou que tinha morrido e ido para o Céu. Ao chegar lá, achando-se tomado pela solidão, de repente deparou-se com um amigo que na sua juventude caminhara com ele pelo jardim do mosteiro e lhe ensinara o valor da compaixão, da piedade, da mansidão e, acima de tudo, da amizade. Era Al-Mahdi, seu antigo mestre e benfeitor que chegara ao Céu antes dele. O sorriso de Ibn-Zara abriu-se à voz da saudade, da alegria e da gratidão por encontrar no Céu o antigo amigo que vivia na Terra. Agradecido, disse em seu coração: “Agora ficarei eternamente ao lado do mestre, andando e sorrindo com ele nos jardins da casa de Deus”.

A amizade que Deus tinha plantado no coração de Al-Mahdi e Ibn-Zara nos muitos anos de convívio no mosteiro na Terra, havia perdurado e chegado ao Céu.

E então, subitamente, Ibn-Zara acordou assustado do seu sonho com os olhos ainda ofuscados pela escuridão da noite. E percebeu, para sua alegria, que estava vivo e na Terra. E pensou:

– É bom ter amigos. É bom nunca esquecê-los, porque no dia da partida, com a chegada da morte ou pelo drama da distância, um deles estará conosco, nos confortando na aflição ou velando nosso corpo em viagem definitiva para Deus. E uma lágrima de sofrimento descerá pelo rosto da compaixão de sua alma entristecida pela separação… Ou estará à nossa espera no Céu para receber-nos e abraçar-nos com alegria.

Aproveite este sábado e dê um abraço especial em seus amigos com muita amizade e desejo de que mesmo debaixo de tantas falhas humanas, são aceitos assim como DEUS aceita a todos!

Feliz Sábado!

Com estima Cristã,

Roberto Passos

Clique aqui e baixe gratuitamente o livro A Única Esperança

Assista ao vídeo: Canção do Amigo

 

The following two tabs change content below.
Nasceu em São Paulo, na cidade de Barueri. Atualmente reside na cidade de Cotia, próximo da Grande São Paulo. Destacou-se com a qualidade de diversos trabalhos na internet por seu profissionalismo e dedicação. Adventista de berço, colabora significativamente em projetos missionários da sua área de atuação.

Latest posts by Roberto Passos (see all)

Receber lindas mensagens do site